Connect with us

Vídeos

Veja os sinais da anorexia nervosa e como tratá-la

Prublicadas

sobre

Tempo de Leitura:6 Minuto, 37 Segundo


Mais comum entre as mulheres, o distúrbio pode trazer sérios prejuízos à saúde

A anorexia distorce a imagem dos pacientes sobre o próprio corpo A anorexia distorce a imagem dos pacientes sobre o próprio corpo Imagem: elenabsl | Shutterstock

A anorexia, também chamada de anorexia nervosa, é um distúrbio alimentar complexo que afeta a saúde física e mental do paciente. Caracterizada por distorção de imagem corporal e medo intenso de ganhar peso, a condição, segundo um levantamento realizado pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) em parceria com a Unifal (Universidade Federal de Alfenas), aflige qualquer faixa etária, mas é mais comum em mulheres jovens. 

“As pessoas com anorexia geralmente restringem drasticamente a ingestão calórica, o que pode levar a um estado de desnutrição grave. Essa condição está intimamente ligada a desequilíbrios hormonais, como baixos níveis de leptina, um hormônio produzido pelo tecido adiposo que regula o apetite”, explica o Dr. Gustavo Medeiros, médico nutrólogo e CEO da Nutrohealth. Segundo ele, além da desnutrição, a doença pode afetar a produção de outros hormônios e, assim, causar mais complicações físicas e psicológicas.

Causas da anorexia 

As causas da anorexia são multifatoriais. Conforme o Dr. Thiago Genaro, curador da psiquiatria da Conexa (ecossistema digital de saúde integral), a doença pode envolver fatores:

  • Biológicos: mudanças hormonais na adolescência, desregulação em neurotransmissores e em moduladores da fome;
  • Psicológicos: perfeccionismo, baixa tolerância à frustração e crenças disfuncionais;
  • Familiares: não somente no sentido genético, mas de aprendizado comportamental dentro de casa;
  • Socioculturais: padrões de magreza, beleza e sucesso disseminados por redes sociais, moda e cultura.

Sinais da anorexia

Uma pessoa com anorexia pode apresentar comportamentos incomuns. Conforme o Dr. Thiago Genaro, geralmente o paciente começa a esconder alimentos não ingeridos, como debaixo da cama, na mochila, no banheiro. Além disso, evita fazer refeições com outras pessoas.

“Começa a comer pequenas porções e se diz satisfeito e indisposto. Rumina alimentos, por vezes chegando a regurgitá-los. Pesquisa compulsivamente sobre dietas e atividade física. E passa a trazer no discurso padrões mais rígidos e muitas vezes distorcidos sobre beleza, saúde e bem-estar”, acrescenta.

Perigos da anorexia

Os especialistas explicam que o transtorno tem um impacto geral na saúde dos pacientes, podendo causar consequências graves quando não tratado. Tais como: 

  • Desnutrição severa; 
  • Deficiência nutricional;
  • Fadiga;
  • Desmaios; 
  • Problemas cardíacos; 
  • Osteopenia e osteoporose;
  • Anemia;
  • Lesões no estômago;
  • Câimbras; 
  • Perda de cabelo; 
  • Pele seca;
  • Unhas quebradiças; 
  • Refluxo;
  • Infertilidade.

Além disso, a condição também pode afetar a saúde mental. “A anorexia contribui com o desenvolvimento de sintomas depressivos e ansiosos, gerando grande sofrimento não apenas para o paciente, mas para toda a família. É comum ocorrer a comorbidade com outros transtornos psiquiátricos, como transtornos de personalidade, dependência química e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). São elevadas as taxas de suicídio entre pacientes com anorexia”, diz o Dr. Thiago Genaro.

Tipos de anorexia

A psicóloga clínica Tatiane Paula explica que a condição pode ser classificada em duas categorias:

  • Anorexia nervosa restritiva: em que há perda de peso conseguida, principalmente, por meio de dieta, jejum ou exercício excessivo; 
  • Anorexia nervosa purgativa: o indivíduo recorre a episódios de compulsão alimentar seguidos de comportamentos purgativos como vômito autoinduzido, uso excessivo de laxantes e diuréticos.

“É importante ressaltar que os subtipos podem se sobrepor ou alternar ao longo do tempo, e que a classificação é baseada no padrão de comportamento predominante no momento da avaliação”, alerta o Dr. Gustavo Medeiros.

Ao contrário da anorexia, na bulimia o paciente não evita a comida, mas come e se sente culpado Imagem: KislinkaArt | Shutterstock

Diferenças entre anorexia e bulimia 

A anorexia e a bulimia são transtornos alimentares em que a pessoa se torna obcecada pela magreza e perda de peso. No entanto, apesar de terem características semelhantes, elas diferem em alguns aspectos. Por exemplo, no caso da anorexia, o indivíduo não come por medo de engordar e, muitas das vezes, se enxerga acima do peso, mesmo estando abaixo do ideal.

Na bulimia, a pessoa tem um peso normal, conforme a sua estrutura corporal, ou está um pouco acima do peso, e deseja perder alguns quilos. Porém, come de tudo e, depois, se sente culpada. Para compensar, pratica exercícios físicos de forma intensiva, induz o vômito após as refeições e faz uso de laxantes para evitar o ganho de peso.

Diagnóstico da anorexia

Normalmente, aqueles que convivem com pessoas próximas com o transtorno são quem detectam os primeiros sinais da doença, pois quem sofre com a condição dificilmente é capaz de identificá-la. Em função disso, os pacientes, de modo geral, são levados ao médico por membros da família ou amigos. 

“A família e os amigos desempenham um papel crucial ao oferecer apoio emocional, encorajando hábitos alimentares saudáveis, participando de terapias familiares quando necessário, e sendo compreensivos e pacientes com o processo de recuperação do paciente”, ressalta a psicóloga clínica Tatiane Paula. 

O diagnóstico é realizado por meio de uma combinação de avaliações clínicas, psicológicas e físicas. O processo geralmente inclui uma entrevista detalhada com um psiquiatra para entender o histórico e comportamento alimentar do paciente, além de exames físicos, laboratoriais e testes psicológicos para avaliar a saúde mental. Essa análise pode ser repetida ao longo do tempo para monitorar o estado de saúde do paciente. 

Tratamentos para a anorexia

Por ser um transtorno com múltiplas causas, a anorexia precisa de várias abordagens para ser tratada, envolvendo nutricionista, psicólogo e psiquiatra. “[O tratamento] deve envolver terapia nutricional, para estabelecer um peso saudável com o paciente, levando-o a um físico que o agrada esteticamente, mas que permita um estilo de vida equilibrado; terapia psicológica, para abordar a percepção de imagem corporal e as disfunções relacionadas à alimentação; e terapia medicamentosa, recomendada em diversos casos, por exemplo, por meio de suplementação hormonal”, explica o Dr. Gustavo Medeiros.

Em alguns casos, conforme o Dr. Thiago Genaro, também é necessário internar o paciente, a fim de “recuperar e manter o peso em um patamar mais adequado; tratar as condições clínicas associadas; repor as vitaminas; devolver ao paciente um olhar mais saudável sobre seu corpo, imperfeições e autoestima e tratar comorbidades presentes, como depressão, ansiedade, transtorno de personalidade, dependência química etc.”

Hábitos saudáveis que auxiliam no tratamento 

Além dos tratamentos médicos, alguns hábitos de vida saudáveis também podem auxiliar na recuperação do paciente. Tais como:

  • Praticar atividade física regularmente;
  • Estabelecer uma rotina de sono adequada;
  • Meditar para reduzir o estresse;
  • Manter uma alimentação balanceada;
  • Controlar o uso de redes sociais (menos exposição e consumo de conteúdos sobre padrões rígidos de beleza);
  • Conversar sobre outros assuntos; 
  • Desenvolver hobbies;
  • Ter relações afetivas de qualidade que contribuam para a autoestima. 

Prevenindo a anorexia

Apesar de não existir uma forma garantida de prevenção para a anorexia nervosa, algumas medidas são indicadas pelos profissionais para incentivar a conscientização. O Dr. Thiago Genaro, por exemplo, recomenda que os pais de jovens entre 15 e 25 anos, fase em que a incidência da doença é maior, monitore as redes sociais, acolham os filhos e validem os seus sentimentos.

“O ambiente escolar pode contribuir com o debate não apenas pondo em pauta temas como magreza e beleza, mas proporcionando ao jovem momentos de reflexão sobre perfeccionismo, baixa tolerância à frustração e autoestima”, diz o especialista.

Para Tatiane Paula, outros cuidados também podem ajudar a evitar a anorexia. “A prevenção pode incluir a promoção de uma imagem corporal positiva desde cedo, evitar comentar sobre peso e forma corporal de maneira negativa, educar sobre alimentação saudável sem focar em dietas restritivas, e estar atento aos sinais precoces de distúrbios alimentares para buscar ajuda profissional rapidamente”, conclui. 





Fonte: Edicase

Vídeos

7 cuidados para prevenir e combater verminoses em cachorro

Prublicadas

sobre

Tempo de Leitura:4 Minuto, 28 Segundo


Alguns hábitos simples ajudam a proteger os animais de parasitas intestinais Alguns hábitos simples ajudam a proteger os animais de parasitas intestinais Imagem: Ground Picture | Shutterstock)

As verminoses em cachorros são infecções causadas por diferentes tipos de parasitas intestinais, como lombrigas, tênias, ancilóstomos e tricurídeos. Eles se alojam no trato gastrointestinal dos cães, onde se alimentam e se reproduzem, causando uma série de problemas de saúde.

A transmissão ocorre por meio da ingestão de ovos ou larvas presentes em alimentos contaminados, água, solo ou fezes de animais infectados. Além disso, filhotes podem também ser infectados por meio do leite materno ou da placenta. Pulgas e outros vetores, ainda, transmitem certos tipos de vermes ao pet.

Sintomas da verminose

Segundo Marina Tiba, médica-veterinária e gerente de produto da Unidade de Animais de Companhia da Ceva Saúde Animal, o cachorro com verminose pode apresentar:

  • Diarreia: (fezes pastosas ou líquidas) pode acontecer pela presença de vermes no intestino, liberando substâncias que irritam a mucosa intestinal. Normalmente, é o primeiro sinal perceptível de uma verminose;
  • Apatia: quando os parasitas se instalam na parede do intestino, eles sugam nutrientes e sais minerais do organismo do pet, o que o deixa desanimado e sem energia. Além disso, os vermes no intestino podem causar cólicas abdominais, e elas também colaboram para que o animal fique apático;
  • Perda de peso e aumento do abdômen: a perda de peso é uma consequência da pouca absorção dos nutrientes e sais minerais, pois a parede intestinal apresenta algumas lesões causadas pelos vermes e eles competem pelos nutrientes com o pet. Nos filhotes, essa competição por nutrientes acaba diminuindo a quantidade de proteína no sangue e ocasionando a famosa “barriguinha de verme”;
  • Anemia: a anemia pode ser percebida de diversas formas, como mucosas ao redor dos olhos e gengivas de coloração pálida, pelagem opaca e ressecada e queda excessiva de pelos;
  • Vômitos: só ocorrem quando o animal tem uma grande quantidade de vermes no organismo, com uma quantidade alta de toxinas sendo liberadas.

Prevenindo e combatendo as verminoses

É fundamental que o tutor adote cuidados para prevenir e combater as verminoses em cachorros, pois essas infecções causam sérios danos à saúde do animal, como desnutrição e anemia, comprometendo o bem-estar e a qualidade de vida do pet. Além disso, alguns desses parasitas são transmitidos a humanos, representando um risco de zoonoses. Por isso, veja abaixo como prevenir e combater!

1. Realize vermifugação regular

Para ajudar a prevenir e tratar as verminoses, é importante administrar vermífugos regularmente. Filhotes devem ser vermifugados nas primeiras semanas de vida, enquanto cães adultos podem seguir um calendário específico de manutenção recomendado pelo veterinário.

“Ele vai analisar o desafio sanitário e carga parasitária a que o animal está exposto e assim instituir o melhor protocolo e tempo entre as doses. Por isso, a importância da visita regular ao especialista”, diz a veterinária Vanessa Daiane Pereira Silva.

Para combater e prevenir verminoses, é essencial limpar e desinfectar regularmente o local em que o cachorro costuma ficar Imagem: Julia Bond | Shutterstock

2. Mantenha a higiene do ambiente

Para auxiliar no combate e prevenção de verminoses, é essencial limpar e desinfectar regularmente o local onde o cachorro costuma ficar, como cama e áreas de descanso. Isso ajudará a eliminar ovos e larvas de parasitas presentes no ambiente.

3. Controle pulgas e carrapatos

Pulgas e carrapatos, quando ingeridos, podem transmitir vermes como a tênia. Por isso, usar produtos antiparasitários para controlar esses ectoparasitas é essencial para prevenir infecções secundárias. “A higiene do ambiente, inspeção dos animais após passeios, banhos e uso de produtos para combater os ectoparasitos são as principais formas de prevenção para pulgas, piolhos, carrapatos e doenças transmitidas por eles”, aconselha Valéria Natascha Teixeira, veterinária e professora do curso de Medicina Veterinária da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

4. Evite o contato com as fezes

Impedir que o cachorro tenha acesso a fezes de outros animais ou áreas contaminadas ajuda a reduzir o risco de ingestão de ovos de parasitas. Por isso, sempre recolha e descarte as fezes do seu cão durante os passeios.

Trocar a água e lavar os potes regularmente são ações que evitam que os cães ingiram parasitas Imagem: Andrii Anna photograp | Shutterstock

5. Forneça água e alimento limpos

Outro cuidado importante para evitar que o animal ingira parasitas é evitando que ele coma alimentos estragados ou lixo, além de fornecer água e alimentos limpos e frescos. Além disso, troque a água diariamente e lave os potes de comida regularmente.

6. Garanta visitas regulares ao veterinário

Consultas regulares ao veterinário permitem a detecção precoce de verminoses e outros problemas de saúde. Isso porque o profissional pode realizar exames de fezes para identificar a presença de parasitas e prescrever o tratamento adequado.

7. Cuidados ao passear

Durante os passeios, evite áreas frequentadas por muitos animais e mantenha o cachorro na coleira para controlar os locais que ele explora e o que ele ingere.





Fonte: Edicase

Continue Lendo

Vídeos

Descubra qual é o seu número da sorte e o que ele representa

Prublicadas

sobre

Tempo de Leitura:4 Minuto, 47 Segundo


Consultora esotérica explica como a numerologia pode te ajudar a criar a própria sorte

A numerologia pode ser o primeiro passo para atrair mais oportunidades para a vida A numerologia pode ser o primeiro passo para atrair mais oportunidades para a vida Imagem: james benjamin | Shutterstock)

Quem nunca desejou contar com a sorte para alcançar algum desejo? Ao redor do mundo, muitos são os objetos ou símbolos que podem transferir ventura ao seu portador, como trevo-de-quatro-folhas e talismãs. Porém, existe algo que é imutável a cada ser humano e representa para si uma sorte inegável: a numerologia. 

Babalu, consultora esotérica da iQuilibrio, comenta que a numerologia se trata de um elemento que nunca vai ser inalterado. “Com cálculos simples, é possível chegar a um número de sorte único. É como criar ou descobrir a própria sorte. Os cálculos da numerologia são capazes de revelar um número que você sempre carregará como amuleto e ele lhe será muito útil”, explica.

A especialista ainda pontua que há um bom número para quase todas as coisas. “Há numerologia para sua moradia, para seu carro, número da sorte e até aniversário, tudo é questão de ser analisado, pois os números nos influenciam em todas as áreas da nossa vida. Com uma boa análise, você descobre seu número de sorte e outros caminhos também”, diz.

Como calcular o número da sorte?

Para calcular seu número da sorte, geralmente é somado os dígitos da sua data de nascimento até chegar a um único dígito. Veja como fazer, segundo a consultora da iQuilibrio: 

Exemplo 1: 06 de novembro de 1985

0+6 (dia do nascimento) + 1+1 (mês do nascimento) + 1+9+8+5 (ano do nascimento) = 31, então 3+1 = 4. O seu número da sorte é o 4.

Significado de cada número na numerologia

A seguir, Babalu explica o que representa cada número. Confira!

Número 1

O 1 na numerologia tem grande influência quanto às capacidades mentais e força criativa. Ele dá energia para começar as coisas e tomar ação. É também muito ligado à liderança, à força inovadora e à realização. 

O número 2 representa a harmonia e o equilíbrio Imagem: wacomka | Shutterstock

Número 2

O yin-yang, o número 2 é o da dualidade, harmonia e equilíbrio. A pessoa que o tem costuma ser sensível e carregada de intuição. Enquanto costumamos associar o número 1 à individualidade, as pessoas com 2 são cooperativas e precisam sempre estar com alguém.

Número 3

O número 3 na numerologia é visto na espiritualidade como a união entre mente, corpo e espírito. Essas pessoas devem aceitar sua criatividade e não ter medo de se expressar. A sorte se manifestará neste lado. 

Número 4

O número 4 na numerologia representa uma pessoa materialista e essa característica se reflete tanto em seus aspectos pessoais quanto nos profissionais. Sem se preocupar com valores subjetivos, a pessoa que tem essa regência procura trazer os sonhadores de volta à terra. Pensando sempre nas questões práticas da vida, tende a investir em bens duráveis, como imóveis, pois isso lhe traz segurança.

Número 5

Na numerologia, o significado do número 5 não é, naturalmente, alguém irresponsável. Porém, é preciso tomar cuidado para que esse seu ímpeto por mudanças não seja algo em vão. O entusiasmo é saudável, desde que não se torne ansiedade e impulsividade.

Número 6

O número 6 na numerologia está relacionado à noção de destino e de estabilidade. Ele está presente na estrela de Davi – que tem 6 pontas – e em diversos mitos e religiões. Ora aparece para indicar sorte, ora para indicar azar. Em algumas culturas árabes, a repetição é um bom presságio, por ser um número sagrado. Já em algumas passagens bíblicas, repetido 3 vezes, se relaciona à besta.

O número 7 é ligado ao conhecimento e à espiritualidade Imagem: wacomka | Shutterstock

Número 7

O significado do 7 na numerologia é, de todos os números, o mais místico e ligado ao conhecimento e à espiritualidade. Considerado ligado à perfeição, está presente em diversos mitos, rituais e religiões. Muito associado à magia e ao mundo místico, relaciona-se a diversos ciclos: os dias da semana, as fases lunares, o ciclo menstrual feminino, as cores do arco-íris e as notas musicais, por exemplo, são todos regulados por ele. Por isso, pertence também aos fenômenos naturais e aos mistérios do universo.

Número 8

O 8 na numerologia está ligado ao equilíbrio e à justiça. Ele é um número de mediação, visto que tem valor entre círculo e quadrado, Céu e Terra, o que confere a ele uma posição intermediária no mundo. É comum ser lembrado junto ao infinito, cujo símbolo é o 8 deitado. Devido a esse simbolismo, ele representa o ilimitado, o fluxo sem início ou fim. Cabe lembrar que essa característica o associa à inexistência de nascimento e de morte e, assim, o envolve nas dualidades físico/espiritual e terreno/divino.

Número 9

Conforme a numerologia explica, o significado do número 9 simboliza o final de um ciclo e o começo de outro. Também representa a realização total do homem, incluindo todas as aspirações e os desejos atendidos. É ele que corresponde o sinal do fim da estrada, sendo o guardião do último portão que nos oferece a tão esperada “boas-vindas” ao mundo espiritual.

Por Alice Veloso





Fonte: Edicase

Continue Lendo

Vídeos

4 livros com histórias infantis sobre os avós

Prublicadas

sobre

Tempo de Leitura:4 Minuto, 41 Segundo


A leitura pode ser mais especial com os avós A leitura pode ser mais especial com os avós Imagem: PeopleImages.com – Yuri A | Shutterstock

Em 26 de julho é celebrado como o Dia dos Avós, uma data dedicada a homenagear essas figuras tão especiais e carinhosas em nossas vidas. Isso porque eles desempenham um papel fundamental, especialmente na vida das crianças, oferecendo amor, sabedoria e apoio incondicional.

Os avós são fontes de histórias, conselhos e brincadeiras, contribuindo de maneira significativa para o crescimento e desenvolvimento das crianças. Além disso, também ocupam um papel importante na criação dos netos e, por vezes, acabam se tornando parte essencial da infância deles.

Nesse cenário, vale refletir sobre a parentalidade, que por definição é a função exercida por qualquer adulto considerado responsável legal de uma criança ou de um adolescente. Mais do que englobar a maternidade e a paternidade biológicas, a função parental é garantir o desenvolvimento amplo das crianças e dos adolescentes e, no Brasil, essa função vem sendo cada vez mais ocupada pelas avós e pelos avôs.

“A figura dos avós, que vivem em um lugar diferente dos netos e que cuidam de forma esporádica deles, está cada vez mais escassa. A realidade é que para que os pais sigam atuantes no mercado de trabalho, é cada vez mais comum que sejam os avós a exercer a parentalidade de forma quase compulsória”, diz Sarah Helena, psicóloga e curadora de Leiturinha. 

Muitos significados de avós

Com isso, ser avó ou avô pode ter muitos significados, de acordo com Sarah Helena. “Dependendo da subjetividade e da particularidade de cada um, da região em que se vive, da cultura em que se está inserido, da composição familiar, da situação econômica e muitos outros aspectos”, explica a psicóloga.   

Assim como os avós podem assumir a parentalidade de maneira total ou complementar em relação aos pais, há pessoas que também podem representar uma referência de avô ou avó sem que, necessariamente, tenham laços sanguíneos com a criança ou com o adolescente.

Livros infantis sobre avós

Para homenagear avós e avôs, consanguíneos ou de coração, Sarah Helena indica 4 livros que tratam do tema para ler com as crianças. A psicóloga reforça que leituras como essas são essenciais para a vida e, quando feitas junto a pessoas especiais, transformam ainda mais essa experiência.

“Quando um avô conta uma história para um neto, lhe dá um presente: uma memória que, por mais inventada que seja, passa a fazer parte de si e de sua história e identidade, garantindo a preservação da memória de toda nossa cultura – somos todos netos de alguém”, reforça.

1. VovôLidô e o sumiço das rosquinhas – Original Leiturinha

“VovôLidô e o sumiço das rosquinhas” narra um avô como um super-herói Imagem: Divulgação | Original Leiturinha

Ao contar a história de quatro irmãos e de um super-herói, o VovôLidô, o livro estimula a criatividade e a imaginação das crianças. Além disso, a obra de Tino Freitas destaca o quanto é especial manter a cumplicidade em família, nos momentos divertidos e nos difíceis.

Ao narrar um avô como um super-herói, o livro consolida a relação com os netos como parte importante da trajetória de uma criança. “Seja como for, a presença dos avós na vida das crianças e dos adolescentes é garantir a eles o acesso à sua própria história, sua origem, seus valores, entre outros”, destaca Sarah Helena.  

2. Trançando o amor

“Trançando o amor” mostra o ritual de cuidados com os cabelos de Conceicinha Imagem: Divulgação | Original Leiturinha

O livro de Lorrane Fortunato conta a história de Conceicinha, uma menina que adora o ritual semanal que tem em família: trançar o cabelo. Não se trata só de um penteado, pois toda semana sua avó e sua mãe criam um ritual de cuidados, e isso gera nela os sentimentos de acolhimento e de alegria que ainda estão sendo identificados, nomeados por ela. Na obra, é possível aprender sobre ancestralidade e pertencimento com relação aos povos.  

3. O short azul do meu avô

Em “O short azul do meu avô”, Cissinha busca descobrir a história do short do avô Imagem: Divulgação | Original Leiturinha

O livro, escrito por Simone Mota e ilustrado por Valentina Fraiz, acompanha Cissinha e sua família. Eles mantêm a tradição de se reunirem depois do almoço de domingo para contar histórias. Cissinha fica incomodada, pois há uma que desejava muito de saber e que ninguém nunca contou: a história do short azul do bisavô Sebastião. Até que um dia, ela resolve por si só tentar encontrar esse tesouro e descobrir tudo sobre ele.

4. Tiquim e Trovão – Original Leiturinha

“Tiquim e Trovão” conta a história de um garoto com o cavalo de sua avó Imagem: Divulgação | Original Leiturinha

No livro, escrito por Tiago de Melo Andrade e ilustrado por Lumina Pirilampus, é possível conhecer Tiquim, um menino que mora na fazenda. Sua avó, quando menina, ganhou de presente do pai um cavalo chamado Trovão, que ficou conhecido no país por ter sido atingido por um raio e sobrevivido. A história acompanha Tiquim em suas aventuras no começo de um ano letivo em uma escola nova.

Por Luana Silva dos Anjos





Fonte: Edicase

Continue Lendo

Popular